Camping em Monte Verde, MG. Sossego, paz, fogueira e queijos

Camping em Monte Verde, MG. Sossego, paz, fogueira e queijos

11
SHARE

Desejo antigo, há tempos namorávamos Monte Verde à distância. E como ela, todo o Estado de Minas, que temos enorme vontade de desbravar. Feriado à vista, folga do maridão no trabalho e lá fomos nós.

Escolhemos acampar. Durante a nossa viagem de volta ao mundo, acabamos não contando com essa alternativa e então posso dizer que esta foi a nossa primeira vez. Debutamos. E simplesmente amamos. AMAMOS. Por que, por que não fizemos isso antes? Ontem mesmo (três dias depois), o Paulinho chegou em casa dizendo que já estava com saudades de acampar. É… a doidera não tem limites!

É ou não é uma delícia estar em um lugar assim?
É ou não é uma delícia estar em um lugar assim?

Então, bora lá contar como foi a nossa experiência nesse camping em Monte Verde.

[su_box title=”Antes, um pouquinho de Monte Verde” box_color=”#768a4f” title_color=”#fefefe”]Não, Monte Verde não é uma cidade. É um distrito da cidade de Camanducaia, que fica na região sul de Minas a 164 Km perrrtinho de São Paulo. Embrenhada na Serra da Mantiqueira, a cidade fica 1.555 metros acima do nível do mar. Por isso, o friozinho tão característico. São 7.000 “monteverdenses” que geram 70% de toda a renda do município de Camanducaia. E isso também gera desconforto nos moradores, que se sentem injustiçados com o retorno da cidade. Assim, parece existir uma desejo grande na emancipação do distrito.[/su_box]

Saímos de São Paulo bem cedinho e o Google Maps nos dizia que levaríamos 2 horas pra chegar, mas na verdade levamos 3 horas e meia (parando 30 minutos pra tomar água e descansar).

Parada para um lanche
Parada para um lanche

Ah! Não falei ainda, mas viajamos de moto, o que nos transformou praticamente em celebridades, rs. Tudo isso porque é muito incomum as pessoas acamparem de moto, normalmente porque não dá pra carregar muitos suprimentos em uma moto, mas, principalmente, porque muitos campings ficam em regiões mais afastadas, com acesso complicado por estradas de terra bastante irregulares. Mas como a nossa motoca é hoje nossa única forma de locomoção, nem cogitamos outra possibilidade.

Ó ela aí! Preparada pra mais uma aventura!
Ó ela aí! Preparada pra mais uma aventura!

Só existe um camping em Monte Verde, Camping Monte Verde (antigo Recanto dos Bambus). Fica no Km 4 (e não no 5 ou 4,5) da estradinha que liga Camanducaia a Monte Verde.

Perrengues da moto

O Camping – instalações

Durante o processo de reserva, eu já tinha ficado com uma boa impressão: fui atendida pela dona Irene, dona do lugar, que tirou todas as minhas dúvidas sempre de bom humor. Administrado por um família muito simpática, fomos super bem recebidos no camping pelo Alexandre que nos mostrou onde estava nossa barraca (nós alugamos) e as dependências do lugar.

Até essa fofura (nome dela é Dona) fazia parte do pacote simpatia!
Até essa fofura (nome dela é Dona) fazia parte do pacote simpatia!

O espaço para as barracas não é muito grande, mas é suficiente. E é assim mesmo, como mostrados na foto: bem inclinado, com áreas planas (os platôs) para montagem das barracas. Se a barraca for muito grande, só dá pra monta-la na parte de baixo.

Monte Verde 3
Vista da barraca

No meio do terreno, tem dois quiosques com pontos de energia (um deles com uma pia de lavar louça) que foram muito usados por duas famílias para fazer festinha de aniversário e churrasco. Já na parte mais alta, ficam os banheiros (2 sanitários femininos e 2 masculinos – e chuveiros –também 2 femininos e 2 masculinos- separados), uma cozinha com fogão, geladeira e uma mesa de sinuca.

O quiosque maior (ao fundo, a galera tentando fazer um carro subir)
O quiosque maior (ao fundo, a galera tentando fazer um carro subir)

Os banheiros são bem simples (mas têm azulejos) e a água nem sempre estava quente (neste caso, é só avisar alguém da família que eles arrumam rapidinho), mas isso não chegou a ser um problema.

Banheiros
Banheiros

Na entrada do camping, fica a cozinha e a área para o café da manhã que é modesto, porém honesto, servido a partir das 8h: pão francês, margarina, queijo branco, 2 ou 3 variedades de bolos, café, leite e chocolate em pó. Ali também eles servem almoço e jantar, só é preciso reservar com algumas horas de antecedência. Mas em caso de fome extrema, tem sempre um peixinho (truta) que eles podem fritar na hora.

Cada barraca tem seu próprio cantinho pra fazer fogueira e eles oferecem a lenha (8,00 o pacote), além de ajudarem a acender.

Como alternativas de lazer, há uma piscina pequena e gelada (a água vem das montanhas), um pequeno pesqueiro (pago, claro) e uma churrasqueira em um dos quiosques (uso livre, mas pelo que a gente notou, as famílias mais experientes se apoderam dela).

O pesqueiro é esse laguinho embaixo da ponte
O pesqueiro é esse laguinho embaixo da ponte

Trabalham no camping em Monte Verde: Dona Irene, Seu Natalino (esposo dela), a Natália (filha) e o Gilmar (genro). Durante os feriados, Rafael (filho) e a Diana (nora) aparecem pra ajudar. Todos muito afetuosos e atenciosos. Nos sentimos realmente acolhidos e bem tratados lá. Indicamos super!!!

Experiência de acampar

Por que nós gostamos tanto de acampar?

Porque é uma delícia estar em contato com a natureza, respirar ar puro na hora de acordar.

Cara de sono?
Cara de sono?

Porque as pessoas criam um clima muito bacana em um acampamento: são amigáveis, respeitosas, querem conversar.

Porque a noite é incrível. Escurinho e silencioso, o ambiente é de muita paz e tranquilidade. Dá pra observar as estrelas com calma, tirar muitas fotos do céu. Acender a fogueira e comer queijinhos queimados no palito.

À noitinha...
À noitinha…
Queijo quente
Queijo quente

Queremos acampar outra vez?

Sim, sim, sim. O quanto antes.

Bônus

Manual etiqueta acampamento

Como chegar

É bem fácil: só acessar a Fernão Dias (de onde quer você esteja) até Camanducaia. De lá, são mais 30 Km em uma estrada asfaltada e linda até Monte Verde. A estrada é cheia de curvas. Dirija com cautela.

Outras dicas para acampar

  • Mesmo que algumas pessoas te falem que é possível caminhar do camping para o centro, não faça isso. A estrada é bem perigosa, cheia de curva e turistas-motoristas que não a conhecem direito. Além do mais, ela não tem acostamento.
  • Leve sua própria extensão para usar nos pontos de energia e carregar seus eletrônicos. Como os pontos ainda ficam bem concentrados em dois lugares, se sua barraca ficar longe (como a nossa), vai ser muito difícil usa-los sem a extensão.
  • Cuidado com eletrônicos. A voltagem é 110, e mulheres, não são permitidos secadores de cabelo.
  • Quando efetuar a reserva, avise aos proprietários qual o tamanho da sua barraca. Assim, eles podem organizar melhor o espaço.
  • Esse camping em Monte Verde só aceita pagamento em dinheiro. Nada de cartões (pelo menos, por enquanto).
  • Evite ir de moto.

 Quanto custou

  • Diária com café da manhã: R$ 60 o casal + R$ 5 pela barraca
  • Estacionamento da moto: R$ 50
  • Taxi (idas e voltas): R$ 105
  • Lenha pra fazer fogueira: R$ 8

E aí, gostou do nosso post? Se sim, dá um joinha aí embaixo ou compartilha com seus amigos. É muito gostoso saber se estamos ajudando com dias úteis. Já acampou? Conhece Monte Verde?

Deixe seu recado, sua pergunta ou sua dica aí embaixo na caixa de comentários. Adoramos responder todo mundo! 😉

 

11 COMMENTS

  1. Adorei as dicas. Nunca acampei mais estou empolgada com a ideia e pretendo ir para Monte Verde e ficar nesse lugar.
    A barraca você alugou lá mesmo ?
    Sabe me informar se fica perto de trilhas? Nossa ideia é fazer trilhas vi várias opções, mais não sei se o acesso desse local é próximo.
    Obrigada

    • Olá Jéssica, acampar é uma experiência super bacana. Acho que você vai gostar. Fico feliz em saber que o post te ajudou 🙂
      A barraca, nós alugamos lá mesmo, só é importante entrar em contato com eles antes para verificar disponibilidade. Quanto à localização, não fica muito perto da entrada das principais trilhas porque ele fica mais afastado do centro.
      Superobrigada pela visita <3

  2. Conheci Monte Verde no século passado!!! kkk E a última vez que acampei foi nessa época tb!! hahahaha Adorei que vc deu dicas beeem práticas mesmo como evitar ir de moto e levar extensão! Pra esse tipo de dica que precisamos dos blogs!!! Bjs

  3. Nossa, que saudades me deu agora de Monte Verde.
    Ah, e nós nunca fizemos camping (meio que preguiça)… mas sua experiência parece ter sido tão legal que deu até uma leve vontadezinha rsrsrsrsrsrs

  4. Adorei o post de Monte Verde. Pena que não vi antes da minha viagem .. 🙁 Mesmo assim, quero compartilhar um pouquinho da minha percepção e algumas dicas de momentos que passamos por lá!
    #1 A estrada: é super tranquilo ir para lá, mas importante atentar-se para a saída de Camanducaia. Achei poucas as placas que indicavam para Monte Verde na rodovia.
    #2 Acomodação: ficamos no chalé Green Mountain com ótimo custo benefício. O chalé é simples, mas muito aconchegante. É possível ver o pôr do sol, acender a lareira e estar em contato com a natureza. Único ponto ruim: o chalé fica na estrada de Camanducaia para Monte Verde e, apesar de perto, precisa enfrentar uma estradinha todos os dias para ir ao centro de Monte Verde.
    #3 Combustível: dica de economia – preço do combustível muito mais acessível em Camanducaia que em Monte Verde.
    #4 Cachoeira dos pretos: na mesma estrada que liga Camanducaia e Monte Verde tem uma saída para a Cachoeira dos Pretos que indica 23km. A estrada é toda de terra, dentro da floresta. É longa e difícil de ir sozinho sem se perder. Legal ir acompanhando alguém que já conheça (por sorte, encontramos um motoqueiro que estava indo para lá e fomos seguindo ele). A entrada é R$10 e tem restaurante (acessível) no local.
    #5 Leve dinheiro: dica de economia – a maioria das lojas e passeios dá desconto para pagamento em dinheiro.
    #6 Banco 24 horas: não encontramos nenhum banco 24 horas na região, somente agências do Bradesco e Itaú. Mais um motivo para levar dinheiro.
    #7 Clima: apesar de inverno, o clima estava muito quente. Durante o dia fazia em torno de 30º (imprescindível o protetor solar). No entanto, à noite, a temperatura cai muito, de 30º para 10º. Dentro do chalé não sentimos o frio que estava lá fora. No centro, após às 20h, as pessoas andavam de casaco de pele e bota (de manhã, de chinelo e bermuda).

LEAVE A REPLY