Como planejar sua viagem para Bonito: dicas e muito mais

Como planejar sua viagem para Bonito: dicas e muito mais

4
SHARE

Organizada, linda e encantadora. Eu poderia sim ficar horas elogiando Bonito. Localizada no MS, a cerca de 300 km de Campo Grade, o local é considerado um dos melhores lugares do Brasil para turismo ecológico. E não é para menos, o que não falta lá são boas opções de passeios e belezas naturais.

A viagem para Bonito deixa claro seu exemplo de turismo organizado e seguro. E são tantas atrações e opções que vale a pena planejar bem seus objetivos, pois os passeios têm limite de visitantes por dia, e mesmo que você fique por lá uns 10 dias, não conseguirá ver tudo. As atrações são classificadas em flutuação, contemplação e circuitos de cachoeiras e trilhas. Acho que uma vez lá, vale a pena fazer uma atividade de cada gênero.

Viajei com o Pedro e ficamos na cidade quatro dias, o que para nós foi o suficiente. Com esse post pretendo compartilhar nossa experiência com dicas e informações úteis para vocês, leitores do Contos da Mochila. Aproveitem!

Viagem para Bonito
Bonito, MS

Ah! Já publiquei outro post aqui sobre um outro lugar maravilhoso no Brasil: Jericoacoara. Dá uma passadinha lá depois. 😉

Como chegar e se locomover de uma viagem para Bonito

Do Aeroporto de Campo Grande – transfers

Existem várias empresas que fazem o trajeto com vans, disponibilizando horários pela manhã, tarde e noite. A média de preço é R$100 por pessoa o trecho (média de julho de 2015). Confira com as agências e tente combinar com o horário do seu voo. De acordo com algumas delas, há uma tolerância para atraso; eles esperam por até uma hora caso o voo atrase. Vale lembrar que essa tolerância é boa por um lado, mas se o voo de outra pessoa atrasar a espera é sua.

Do Aeroporto de Bonito

Sim! Existem voos regulares duas vezes por semana pela Azul (quarta e domingo) saindo de Campinas. As passagens costumam não ser das mais baratas, mas a pesquisa e a matemática sempre são válidas. Para nós, foi a melhor opção, pois conseguimos pagar apenas R$300 cada. E ainda economizamos R$400 de transfer e quase 600km de estrada. Nada mal, não é mesmo?

O aeroporto é bem pertinho, fica a 15km do centro. Porém, o táxi que pegamos nos cobrou R$60. O taxista não ligou o taxímetro e nos informou que o preço é tabelado pela prefeitura. Eu desconfiei, mas uma vez dentro do táxi e sem nenhuma informação quanto a isso, o jeito foi pagar o preço.

Aprendizado:  fechamos todos os nossos passeios com a Bonitour. Eles oferecem o transporte do aeroporto de Bonito gratuitamente aos clientes. Mas como eles não nos informaram, nós usamos o táxi na chegada e utilizamos o transfer somente na volta. Então, fica a dica!

Carro alugado

Se estiver em Campo Grande, o transporte até Bonito fica garantido! Consideramos muito alugar um carro, mesmo chegando por Bonito, mas não consegui achar nenhuma agência conhecida que opera na cidade. Então, resolvi não arriscar. As agências de turismo locais até te ajudam com o aluguel, mas como ficaríamos poucos dias, não achei válido.  Esse post do Viaje na Viagem fala da experiência com o carro alugado. Vale a leitura.

Dica: posso afirmar que as estradas para os passeios não me pareceram super tranquilas como indicaram em posts que li antes da viagem. Os trechos têm muita estrada de terra e com pouca sinalização. O motorista me explicou que até dá para usar uma alternativa com estrada asfaltada, mas isso acrescentaria mais 50km no percurso.

Hospedagem – viagem para Bonito

Acredito que hospedagem boa é sempre aquela que é bem localizada. Enquanto planejávamos nossa viagem para Bonito, encontramos muitas opções atraentes e optamos pela pousada Arte da Natureza, que fechamos pelo Booking, como sempre. Além de pertinho do centro, o local é bem novinho, agradável e estava com o preço competitivo. Mas vale se atentar aos detalhes, caso considere também fechar essa pousada.

A nota no Booking é 8.5 e as reclamações pareciam bobas. Mas algumas coisas fizeram sentido, depois que cheguei lá. A pousada é uma graça, mas deixa a desejar em detalhes como chuveiro fraco que não regula corretamente a temperatura, e limpeza. Também não curti o sistema de não ter recepção 24 horas.

Além disso, durante os quatro dias que ficamos lá, a piscina ficou suja. Segundo o recepcionista, eles estavam com um problema para limpá-la devido a uma chuva que aconteceu dias antes de chegarmos.

Em geral, a hospedagem foi super ok, mas como sempre alguns detalhes fazem a diferença e deixam ou não uma boa impressão.

Portanto, pesquise pelo Booking a sua hospedagem e não se esqueça de considerar a localização próxima ao centro, caso esteja sem carro!

O que fazer na sua viagem para Bonito

Agora a parte mais legal! Há uma infinidade de passeios e todos são marcados pela impecável organização. Quando comecei a pesquisar fiquei perdida em qual deveria dar prioridade, já que tinha pouco tempo por lá. Depois de ler bastante e conversar com pessoas que tinham visitado Bonito fechamos: Buraco das Araras, Rio da Prata, Boca da Onça, Gruta Lagoa Azul e Gruta São Miguel. Se tivéssemos mais tempo fecharíamos também o Rio do Peixe.

É importante lembrar que boa parte de Bonito é considerada reserva legal, portanto, há limites de visitantes por atração. Dependendo da época, a concorrência é pesada e é altamente recomendado fechar tudo antes de chegar lá.

Por isso, faça tudo com antecedência: Esqueça essa história de deixar para negociar preço por lá para tentar um descontinho. Em Bonito, tudo é tabelado e dificilmente há variação nos preços. Negociamos por e-mail com a agência Bonitour. Fizemos nosso roteiro, passeios e transportes com eles. Entrei em contato mais de um mês antes de chegar em Bonito, passando meus objetivos, passeios de interesse e claro, disponibilidades.

Eles me ofereceram um pacote que montava toda logística, combinando as melhores datas e passeios. Foi uma ótima experiência e olha que a gente nem curte essa história de passeios por agência que passa para pegar várias pessoas de hotel em hotel.  Mas como cansei de dizer nesse post, Bonito é organizada e tem ótima estrutura para receber turistas, portanto, o serviço é bom.

Importante: Uma viagem para Bonito tem que levar em conta outro tipo de gasto. Os tranfers para os passeios são caros e não estou inclusos no valor dos passeios. Por isso, dependendo do tempo que ficar por lá, vale a pena sim alugar um carro.

Nossos passeios em poucas palavras

Buraco das Araras: lugar único e diferente de tudo que já vimos. Esse passeio normalmente é feito junto com o Rio da Prata, já que os locais são bem próximos. Fizemos pela manhã, e como eu já havia lido que o ideal para ver as araras era à tarde, fui logo questionar. O guia me explicou que bem cedinho ou no final da tarde são considerados os melhores horários, pois não está muito quente e as araras estão mais dispostas a dar um show.

No nosso caso vimos bastante araras e foi bem interessante, mas creio que não foi um dos melhores dias. O Pedro gostou muito mais que eu, mas minhas expectativas eram maiores. Este é o tipo de passeio que requer sorte, portanto, deixe a ansiedade de lado e aproveite. Para aprender curiosidades sobre as araras e vegetações locais, clique aqui.

Araras Bonito MS
Araras, Bonito MS

Rio da Prata: esse foi o mais incrível. É uma flutuação bem completa com direito a roupa específica, trilha, treinamento e água morninha (média de 24 graus). É impressionante a dinâmica e a organização deles. Ficamos encantados com a quantidade de peixe e a paz ao fazer a flutuação. É lindo demais e finaliza com o almoço maravilhoso –  típico da fazenda.

Boca da Onça: são lindas cachoeiras distribuídas em uma trilha de quase 5km e mais de 800 degraus. É interessante andar e ver a vegetação nativa, animais e passáros. Das cachoeiras, quatro delas você pode entrar. A água é bem gelada, mas vale o esforço. Leve para esse passeio: toalhas, uma troca de roupa, snorkel. Essa atração termina com um almoço também em um visual super agradável.

Cachoeira Boca da Onça Bonito
Cachoeira Boca da Onça, Bonito
Boca da Onça Bonito
Boca da Onça, Bonito

Gruta Lagoa Azul e Gruta de São Miguel: são bem próximas uma da outra, o que te permite fazer as duas em apenas uma manhã.  A Lagoa Azul impressiona pela beleza, formação e história. Super recomendo. A de São Miguel é interessante, mas eu poderia dizer que é mais do mesmo.

Embora elas sejam bem diferentes, a de São Miguel é apenas uma caminhada dentro de uma caverna. Eu não visitei muitas cavernas na minha vida, mas não senti nada de especial lá ou algo que já não tinha visto antes. Vale a visita? Sim, porque sempre vale conhecer algo novo. Mas achei dispensável.

Essa foi uma breve descrição da minha experiência com os passeios em minha viagem para Bonito. Saiba mais no site de cada local e no site da Bonitur. Tem tantas opções incríveis que vale avaliar seus objetivos e perfil para escolher aquelas que são realmente a sua cara!

Gruta Lagoa Azul Bonito
Gruta Lagoa Azul, Bonito

Onde comer em Bonito

Em geral come-se muito bem em Bonito. A culinária típica são os peixes da região e a carne de jacaré. Além de preços acessíveis, de forma geral, os restaurantes têm excelentes opções e atendem muito bem os turistas. Em alguns passeios já estão inclusos almoços que, da mesma forma, não deixam a desejar. Abaixo veja nossa opinião sobre os locais que frequentamos:

Casa do João: restaurante com o ambiente agradável e sem dúvida o mais famoso de Bonito. Com pratos típicos e cervejas artesanais, o local é o mais recomendado da região.

Pastel Bonito: Já pensou em comer um pastel de jacaré? Ou um de peixe? Pois é, lá você encontra esses e muitos outros.

Delícias do Cerrado: trata-se de uma sorveteria bem famosa na região. Você pode saborear sorvetes típicos com sabores de frutas da região. Além disso, lá tem o famoso sorvete de forno. É isso mesmo! Você escolhe dois sabores que são misturados com salada de frutas e coberto com marshmallow. Após uns minutinhos no forno, seu sorvete está pronto. Muito bom. Nós adoramos!

Saiba mais: http://www.deliciasdocerrado.com.br/

Tapera: na nossa opinião, é o melhor disparado! Além de lindinho e do bom atendimento, a comida é ótima, tanto que repetimos a dose. Experimentamos o peixe na telha e o peixe bonito, e os dois são super saborosos. Os pratos acompanham salada, arroz, pirão e batata.

Dica: o prato para dois é MUITO bem servido. Peça meia porção se estiver em dois, pois dá e sobra. Além disso, a sobremesa é inclusa e é self service. Agora o melhor de tudo isso é que o restaurante é bem em conta. (cerca de R$33 por pessoa para esses pratos elaborados já com bebida e sobremesa).

Quiosques na praça: tem vários quiosques que oferecem pastéis, caldos e lanches. Paramos em um deles e experimentamos uma tapioca (estávamos com pouca fome). Valeu a pena e a economia foi boa!

Palácio dos sorvetes: Uma sorveteria que, a princípio, era atraente por oferecer sabores do cerrado. Com sorvetes de sabores típicos, tínhamos mais de 70 opções. Escolhemos ao todo seis sabores e foi uma decepção! Nenhum deles era bom! Mas ficou difícil saber se a culpa era da sorveteria ou da gente, querendo inovar tomando sorvete diferentes como o de tererê (bebida típica da região). Bom, fica a dica de não exagerar nos sabores diferenciados!

Outras dicas espertas:

  • Ir na baixa temporada para Bonito é bem tranquilo e mais barato.  O melhor: fomos no final de junho e a média de temperatura era 27 graus.  A noite a temperatura caía para 20 graus, mas ainda assim era agradável.
  • Feriados são as principais épocas que os viajantes procuram Bonito, portanto, reserve seus passeios com antecedência para pegar os melhores horários e garantir a visita. Se for no verão, saiba que chove mais e você corre o risco de ter seu passeio cancelado.
  • Leve na mala protetor, snorkel, tenis, toalha e repelente. Para os passeios se informe com a agência do que levar e tenha com você uma troca de roupa para não voltar e almoçar molhado.  Ah! Vá com disposição para caminhar e conhecer as particularidades da região. Se tiver câmera subaquática, leve! Se não, os hotéis e agências alugam por cerca de R$45 a diária.
  • Pesquise a melhor agência e feche tudo antes de chegar lá (estou sendo repetitiva, eu sei, mas isso é importante).
  • Nos restaurantes, questione sobre a meia porção. Normalmente, ela serve tranquilamente duas pessoas e a economia é boa!
  • Considere um passeio ao Pantanal. Não fizemos por falta de tempo, mas é válido.
  • Divirta-se  e relaxe muito! Afinal, não é todos os dias que conseguimos ficar tão conectados à natureza.

É isso. Deu para notar que para quem gosta de ecoturismo, uma viagem para Bonito é viajar para o lugar certo? Espero ter ajudado aos futuros visitantes da região. Qualquer dúvida, deixa nos comentários! E até a próxima!

Mari Saffioti escreve pra gente contando suas viagens pelo Brasil e América do Sul. Ela é “Gente que Ama Viajar”.

E você, também ama viajar? Tem dicas legais e quer compartilhar com outros leitoresClique aqui ou escreva um email para contato@contosdamochila.com.br. Quem sabe o próximo post não será publicado por você?

Gostou do post? Então compartilha! Escreva o que você achou do post aqui embaixo nos comentários. Lemos e respondemos todo mundo!!!

Você também pode ler mais relatos, dicas e textos inspiradores de viagens, seguindo Contos da Mochila nas redes socias.

FacebookTwitterInstagram e Flipboard. Snapchat: @contosdamochila

Obrigada por ler! <3

*Se você reservar por aqui seu hotel, você nos ajuda a ganhar uma comissão e seguir vivos. Além do melhores preços e opções, você não paga nada mais por isso! 😉

4 COMMENTS

  1. Nooossa, super útil as dicas. Vamos agora em maio/2016 para Bonito, quatro dias de hospedagem. Tínhamos dúvidas quanto à reserva de passeios com antecedência, transporte e locais a visitar. No final, os passeios comentados na matéria confirmaram nossas escolhas, a dica do transporte foi ótima e vamos reservar já os passeios. Obrigada!!!

LEAVE A REPLY