Escolhas. Um ano depois. Quartorze anos depois. 

Escolhas. Um ano depois. Quartorze anos depois. 

2
SHARE

10 de março de 2014. No aeroporto de Guarulhos, estávamos prestes a embarcar para a África do Sul e começar o primeiro grande mochilão das nossas vidas. Não por obra do acaso, mas por uma decisão deliberada e também romântica (por que não), a data da partida coincidiu com a data que começamos a namorar. A partir de então, sempre teremos comemoração dupla neste dia. E hoje é terça, 10 de março de 2015, mas essa história é sobre o final de semana passado.

Neste final de semana, nós tivemos um compromisso na cidade em que vivem nossos pais, no sábado bem de manhãzinha. Como a previsão do tempo estava péssima e a possibilidade de chuva era bastante alta, fomos obrigados a deixar a moto em casa e viajar de ônibus.

Se usamos ônibus para ir, também usamos para voltar. E a previsão se confirmou, e chegamos em São Paulo no domingo à noite, debaixo de uma chuva bem forte. Planejávamos levar 1 hora até nossa casa, mas as estações Luz e República estavam fechadas para manutenção na linha amarela e tivemos que mudar a estratégia, aumentando nosso trajeto.

Descemos então na estação Vila Madalena e tentamos por 15 minutos chamar um taxi. Não havia nem um santo taxista no ponto, os aplicativos não estavam funcionando e o 3G… bom sobre o 3G nem vou comentar. Nada de taxi! Como estávamos nos protegendo da chuva debaixo de um ponto de ônibus, vimos a linha que passa perto da nossa casa chegar e decidimos embarcar. E durante todo o caminho, a chuva continuo persistente e implacável.

Paulinho com uma mochila nas costas e eu carregando uma sacola. Sem guarda-chuva, descemos do ônibus e começamos a correr. Corremos debaixo de chuva, como nos tempos áureos de 2014, com a mochila nas costas. E corremos como se não houvesse amanhã, fazendo graça, rindo. Entramos em casa ensopados e sem fôlego e ainda rindo da nossa situação.

Se Kundera* está certo e, portanto, se o acaso pode transmitir uma mensagem e falar com a gente de uma forma que os eventos programados e repetidos não podem, então, essa sucessão de eventos simples e não planejados talvez queiram dizer alguma coisa.

Na noite em que tudo “deu errado” (em uma situação tão boba e comum do cotidiano de um casal que escolheu viver sem carro), parei para refletir sobre uma das maiores conquistas da nossa viagem: o nosso espírito mochileiro.

O espírito mochileiro, esse estado de espírito que nos faz encarar as adversidades como aventuras, que nos encoraja a buscar alternativas quando nosso plano dá errado. Que abre nossos olhos para ver a diferença com curiosidade e não com julgamento. Que nos leva a viver os perrengues e a transformá-los em histórias pra contar. E que, sobretudo, nos ajuda a lembrar sempre que somos produto das nossas escolhas.

E um ano depois da nossa partida, desejamos que esse espírito transcenda a experiência da “mochilagem” e se torne parte de nós.

E, depois de quatorze anos vivendo com o Paulinho, posso dizer que sei exatamente porquê comecei a namora-lo e me casei com ele. Nós dois sabemos porque estamos juntos até hoje. E essa consciência faz de nós especiais, um para o outro, em nossos propósitos de vida.

E que tudo se perpetue até quando houver sentido. Que todo 10 de março seja ano novo pra gente e que a gente se renove e continue a fazer das nossas vidas o que queremos e esperamos delas.

 

*Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser.

2 COMMENTS

    • Ana, querida!!!
      Que surpresa linda seu comentário aqui no meu blog. Que honra!
      Fico feliz que tenha gostado. Esse foi um daqueles posts que senti uma vontade incontrolável de escrever.
      Beijos
      Pam

LEAVE A REPLY