A impressionante e incrível Hong Kong

A impressionante e incrível Hong Kong

4
SHARE
Hong Kong
Hong Kong

Como chegamos: avião de Bangkok
Quanto custou:  130 USD/cada
Quanto tempo levou: 3 horas
Gasto médio/dia: 50 USD/pessoa
Depois de Hong Kong: Yangshuo, China

Onde nos hospedamos: Chungking Mansions – Unique Hotel
Quanto custou: 40 USD/dia

Hong Kong é exagero, luxo, charme, caos. Tudo ao mesmo tempo e pra ontem, por favor! Talvez a melhor junção do Oriente com o Ocidente!

Os arranha-céus. Um principais dos cartões postais da cidade
Os arranha-céus. Um principais dos cartões postais da cidade

HK (para os íntimos) foi tudo o que se espera de uma cidade grande e poderosa: é moderna e organizada, limpa e dinâmica. Cosmopolita, ela sabe receber bem as pessoas. Embora de queixo caído, nos sentimos “em casa” desde o primeiro contato com ela, ainda no aeroporto. Tudo funcionando: pessoas falando inglês perfeito e muita simpatia para todos os lados. Nossas malas chegaram antes mesmo da gente na esteira. O trem expresso que leva os passageiros até o centro da cidade em 20 minutos é excelente e barato. Ficamos como duas crianças quando conhecem pelo primeira vez o computador!

Trem Expresso
Trem Expresso

E depois de ver alguns “trailers” da janela do trem, desembarcamos na estação de metrô Tsim Sha Tsui e nos deparamos com ela, com toda pompa e circunstância. Seus arranha-céus de arquitetura arrojada, suas luzes, o exagero de neon, o movimento frenético das pessoas, as mil lojinhas de tudo, e muitos, muitos chineses. Finalmente, a conhecemos!

Hong Kong
Hong Kong
Hong Kong
Hong Kong
Lojinhas típicas de produtos secos, peixes e frutos do mar especialmente. Pelo que percebemos, eles adoram esses produtos
Lojinhas típicas de produtos secos, peixes e frutos do mar especialmente. Pelo que percebemos, eles adoram esses produtos
Outra lojinha que encontramos toda hora foi essa que vende uma espécie de medicamento natural
Outra lojinha que encontramos toda hora foi essa que vende uma espécie de medicamento natural

Depois da paixão à primeira vista, a volta à realidade: nosso holtezinho. Hotelzinho, porque estou falando no sentido LITERAL da palavra. Se o quarto tinha mais do que 4m2 (incluindo o banheiro) era muito. Enquanto o Paulinho ficava de pé, eu TINHA que ficar sentada na cama, nós dois não conseguíamos ficar em pé juntos ao mesmo tempo. Isso tudo porque Hong Kong é uma cidade muito cara, principalmente nos quesitos hospedagem e alimentação.

Nossa quarto no Unique Hotel
Nossa quarto no Unique Hotel

Votando ao nosso “hotel”. Em uma das localizações mais privilegiadas da cidade (no centro de tudo, pertíssimo do metrô), fica o (a) Chungking Masions, um prédio muito grande completamente abarrotado de hostels, guest houses e pequenos hotéis. Para vocês terem uma noção, havia, na média, uns 10 pequenos  empreendimentos por andar. O prédio é dominado por imigrantes, principalmente de Bangladesh, da Índica e de alguns países africanos. O térreo é cheio de lojinhas nos quais eles vendem de tudo (de comida a cosméticos). A partir do segundo andar, encontram-se as opções de acomodação. É um lugar bem popular entre os mochileiros, porque é barato (barato para HK, que fique bem claro!), a Chungking Mansions pode assustar alguns logo de cara.

Chungking Mansions
Chungking Mansions

Assim que colocamos os pés para fora do metrô e demos de cara com o prédio, começaram as mil abordagens feitas pelos agentes dos pequenos hotéis para nos hospedarmos. Todos eles vieram pra cima da gente e começaram a oferecer quartos. Como já havíamos reservado um quarto (com base nos comentários do www.booking.com), não tivemos nenhum problema. Foi só dizer isso a eles e vê-los desistir de nós e procurar a próxima vítima. Mas, assustadora mesmo era a fila para esperar o elevador, sempre desmotivadora, comprida e demorada pois, além dos hotéis e albergues para os turistas, há muitas moradias baratas para imigrantes que vão tentar a vida em HK. Somente tome cuidado ao utilizar as escadas (principalmente à noite), pois, de acordo com a dica que recebemos, a escada é utilizada pelos moradores para consumir e vender drogas. À primeira vista, Chungking Mansions pode assustar ou amedrontar pelo seu estilo exótico, mas nossa estadia foi muito tranquila, embora bem apertada!

HK tem três principais áreas: Kowloon (na parte sul da parte continental) a ilha de HK (bem em frente ao Kowloon) e Lantau (a oeste de Kowloon), mas as principais atrações turísticas e serviços ficam concentradas em Kowloon, onde indicamos a estadia. A locomoção pela cidade é excelente e exemplar. A grande e surpreendentemente eficiente linha de metro impressiona pelo serviço. Além de limpas e organizadas, as estações de metro prestam um serviço inestimável aos turistas. Em todas elas, encontramos esses mapas sinalizando os pontos turísticos perto da estação, com fotos, breve resumo e TUDO em inglês. Além disso, as saídas são sinalizadas por letras nos mapas e na estação, então é só você encontrar no mapa a letra correspondente ao lugar que você vai e segui-la dentro da estação.

Mapa dos arredores
Mapa dos arredores
Pequena lista de TUDO o que é possível encontrar por perto
Pequena lista de TUDO o que é possível encontrar por perto
Principais pontos turísticos das redondezas
Principais pontos turísticos das redondezas
Com fotos, para facilitar sua locomoção
Com fotos, para facilitar sua locomoção
Sinalização das saídas dentro da estação
Sinalização das saídas dentro da estação

O ônibus com ar condicionado, catamaran para acessar a ilha, bondinhos que cortam a ilha de lesta a oeste, e muita oferta de taxi (que são bem caros).

Linha de bondinhos
Linha de bondinhos
Bondinho II
Bondinho II
Ônibus urbano
Ônibus urbano
Optimus Card
Octopus Card

Como a cidade não é muito grande, conseguimos nos locomover do jeito que mais gostamos, a pé, muito embora o preço dos transportes sejam bem justo. Pela influência inglesa, HK foi colônia da Inglaterra até 1997, os ônibus têm dois andares. Pegamos um deles e demos uma voltinha pela cidade para conhecer um pouco mais do que só o centro turístico. Deu pra ver uma HK mais antiga, com fortes influências chinesas, principalmente nas construções.

Bairro mais "chinês"
Bairro mais “chinês”

Infelizmente, tínhamos apenas 3 dias para curtir a cidade e demos preferência para algumas atividades “obrigatórias”: The Peak, avenida das estrelas, centro comercial na ilha e o show de luzes e para a nossa atividade preferida: caminhar pela cidade.

 

The Peak (Pico)

Onde fica: na ilha, subindo a montanha

Como chegar: de trenzinho (mais popular pelos turistas) e com o ônibus número 15 (mais baratinho), que sai da estação de ônibus do lado do pier, também na ilha.

Quanto custa: gratuito

Quanto tempo: de 2 a 3 horas (entre 1h30 e 2h dentro do ônibus)

The Peak é o ponto mais alto de HK, de onde é possível ver toda a cidade. A vista deve ser linda, embora a gente não tenha conseguido ver quase nada. A poluição estava terrível naquele dia e estava também muito frio. De qualquer forma, indicamos o passeio.

VIsta do The Peak
VIsta do The Peak

 

Avenida das Estrelas (Avenue os Stars)

Onde fica: no bairro Tsim Sham Tsui, na beira do oceano

Como chegar: de metro, linha vermelha, estação Tsim Sha Tsui ou de ônibus (muitas opções, depende de onde você estiver)

Quanto custa: gratuito

Quanto tempo: de 1 a 2 horas

A Avenida das Estrelas é uma espécie de calçada da fama para os artistas de Hong Kong. Moldes das mãos de muitas celebridades que desconhecemos estão por toda parte. A única que fiz sentido pra gente foi a do Jack Chan. Mas, a grande atração da avenida é uma estátua em tamanho real do Bruce Lee. Tradição é ensaiar o seu melhor golpe em frente a ela e bater uma foto! Nós pulamos essa, rs!!!

No mais, a avenida é bem agradável. Andamos quase ela inteira, observando o oceano, os gigantescos prédios do lado da ilha e o movimento das pessoas.

Avenida das Estrelas
Avenida das Estrelas
Avenida das Estrelas
Avenida das Estrelas
Avenida das Estrelas
Avenida das Estrelas
Calçada da fama
Calçada da fama
Não conseguimos fazer uma pose melhor...
Não conseguimos fazer uma pose melhor…

 

Centro comercial da ilha

Onde fica: na ilha, bem perto do píer

Como chegar: de barco do píer da Tsim Sha TSui, de metro (linha azul, estações Central ou Admiralty), ou de ônibus (depende de onde você estiver

Quanto custa: gratuito

Quanto tempo: de 1 a 2 horas

Arranha-céu I
Arranha-céu I
Arranha-céu II
Arranha-céu II
Arranha-céu III
Arranha-céu III
O que é este arranha-céu?
O que é este arranha-céu?
Arranha-céu V
Arranha-céu V
E esse laranja?
E esse laranja?

Aqui estão grande parte daqueles prédios enorrrrrrrrmes que vemos em quase todas as imagens de HK. Espelhados e com uma arquitetura super arrojada, eles impressionam invariavelmente. Entre eles, alguns jardins (muito bem cuidados) e muitas pessoas de preto, engravatadas correndo de um lado para outro. Charme muito especial é a linha de trenzinho que corre em paralelo ao oceano, cortando a linha de leste a oeste. Baratinho, é uma ótima opção de sightseeing.  É um dos centros econômicos mais importantes da Ásia e do mundo.

Por ali, só andar, observar as pessoas (sempre!) e novamente se perguntar: “onde a Ásia quer chegar?

 

Show de luzes

Onde fica: acontece nos prédios da ilha, mas o show é visto da Avenida das Estrelas

Como chegar: é só fazer o mesmo que faria para a Avenida das Estrelas

Quanto custa: gratuito

Quanto tempo: de 30 minutos

O Show de luzes foi a decepção de Hong Kong. Tão famoso e tão sem graça. Uma galera se amontoa às margens do oceano, na Avenida das Estrelas, para ver as luzes coloridas brilharem nos prédios ao som de música clássica. É verdade, as luzes acompanham o ritmo da música, mas mesmo assim, não convencem. Poucas luzes, poucos prédios, efeitos especiais bem fradinhos, enfim, foram 30 minutos esperando o verdadeiro show começar e então se deparar com o seu final… Não que não valha a pena, afinal é gratuito, e parece que sempre tem um showzinho paralelo acontecendo (como alguns bailarinos dançando tango no dia em que fomos), mas atenção à expectativa.

Show de luzes
Show de luzes
Show de luzes
Show de luzes

Além dessas, fizemos nossa famosa caminhada e encontramos por acaso o Kowloon Park, bem pertinho do nosso hotel. Eu, que a-do-ro parques, não resisti. Entramos, claro! Que bom que entramos! O parque era realmente grande e cheio de atividades de lazer. Além daas árvores e outras plantas super bem-cuidadas, o parque tinha quatro piscinas públicas, um aviário, onde encontramos esse pássaro super interessante.

Kowloon Park
Kowloon Park
Me perdoem, mas perdi o nome da espécie deste pássaro
Me perdoem, mas perdi o nome da espécie deste pássaro

E a surpresa do dia foi encontrar a calçada da fama dos personagens de desenho animado e quadrinhos. O máximo! As esculturas deliciosamente bem-feitas e, mesmo sem conhecer nenhum personagem, nos divertimos tirando fotos e brincando com elas.

Kowloon Park
Kowloon Park
Kowloon Park
Kowloon Park
Não é o máximo!
Não é o máximo!
Kowloon Park
Kowloon Park
Calçada da fama com direito a molde de mão
Calçada da fama com direito a molde de mão

Para quem ama marcas de luxo e tem dinheiro para comprar, HK é o lugar. Tenho certeza que é a cidade no mundo com mais lojas de luxo por metro quadrado. E o mais interessante, na rua! Rolex, Tiffany & Co, Cartier e cia limitada são praticamente franquias, encontradas em cada esquina.

Luxo I
Luxo I
Luxo II
Luxo II

Espalhados pela Avenida das Estrelas, auto-falantes davam voz a músicas latino-americanas, tango, em sua maioria. Ajudou a nos sentimos um pouquinho mais perto de casa! A música dá um ar mais alegre para uma cidade que é praticamente coberta pela forte névoa de poluição. É, realmente, ninguém é perfeito! Nem HK!

Charme especial à noite e uma trégua da poluição
Charme especial à noite e uma trégua da poluição
E não é que comemoramos 3 anos de casados aqui? E, ainda por cima, encontramos um Outback pertinho do hotel?
E não é que comemoramos 3 anos de casados aqui? E, ainda por cima, encontramos um Outback pertinho do hotel?

Dicas:

HK tem um sistema de transporte público excelente e junto com ele um cartão (Octopus) que dá acesso a todos os meios de transporte. É possível adquiri-lo na maioria das estações de metro. Você faz um depósito de $50 HK (50 dólares de Hong Kong) e carrega o cartão com, no mínimo, $100 HK. Antes de ir embora, é só devolver o cartão que eles reembolsam o depósito e também os créditos que você não utilizou. Show!

 

Para andar nos ótimos e eficientes ônibus de HK, utilize esse site e programe seus passeios:

http://www.nwstbus.com.hk/routesearch.aspx?t=1401588131878&intLangID=1

 

Quer economizar e não liga de comer qualquer coisa? Encontre um Mac Donnald’s.

 

Na Chanking Mansions, é possível encontrar acomodações bem modestas, mas baratas. A localização é das melhores. Não se intimide com a entrada do prédio e lembre-se: não use as escadas, principalmente à noite.

 

As melhores taxas de câmbio são oferecidas no primeiro andar da Chungking Mansion. Mas, procure uma casa de câmbio que pareça confiável. Nós usamos o método: “ser representante da Western Union”.

 

Abuse do 7Eleven. Os preços são imbatíveis.

4 COMMENTS

  1. Tive que ler o post aos poucos tamanha quantidade de informação!! Esses chineses vão mesmo atropelar o ocidente…bjs e até o próximo post

    • Oi Rody,

      Tivemos a mesma impressão sobre a Ásia! Tanto da China, quanto da Tailândia, por exemplo. Isso porque não conhecemos Cingapura, rs! bjs e logo mais soltaremos o próximo post!!!

LEAVE A REPLY