Nossas primeiras impressões da Rússia, o maior país do mundo!

Nossas primeiras impressões da Rússia, o maior país do mundo!

2
SHARE

 

Irkutsk
Irkutsk

Antes de mais nada: “sim, a situação com a Ucrânia está complicada e a Rússia está fazendo coisa que não deve. Mas, por enquanto, nenhuma movimentação estranha e tudo aparentemente normal. Vamos seguir viagem conforme planejado e eu com o blog!

Bom, nosso plano inicial era chegar na Rússia a bordo da Transmongol, uma linha de trem que sai da China, passa pela Mongólia e chega em Irkustk, na Rússia. Queríamos ficar alguns dias na Mongólia e conhecer o Deserto de Gobi. Mas, tomamos algumas decisões no meio do caminho que afetaram nossa passagem por lá e, por isso, acabamos abdicando do país e desistindo da Transmongol. Assim, chegamos em Irkutsk de avião, em um voo com bastante turbulência e bem desconfortável!

Em Pequim (logo mais os posts sobre a China), muito sol e calor. Mas saímos da cidade com a mochila de mão carregada de blusas e calças porque sabíamos que o tempo mudaria drasticamente. No aeroporto em Pequim trocamos as roupas, fizemos uma pequena retrospectiva do que tinham sido aqueles 2 meses e meio de Ásia, e nos preparamos para a segunda parte da viagem. Estávamos muito entusiasmados, muito mesmo! Outros ares, comida, clima, paisagem (embora essa parte da Rússia fique na Ásia, os costumes são europeus). Adoramos a Ásia, mas já sentíamos que nada mais nos era estranho, de alguma forma, nos acostumamos com o lugar. E, é aí que a mudança se faz mais necessária!

Irkutsk
Irkutsk

Chegamos em Irkutsk às 8h da manhã. Irkustk tem pouco mais de 500 mil habitantes, não é uma cidade muito grande e acho que a imigração quase nunca recebe turistas brasileiros. Nós, diferentemente de praticamente 95% do mundo, não precisamos de visto para a Rússia. Quando cheguei na frente do oficial e dei meu passaporte (o Paulinho estava atrás na fila), ele ficou procurando, procurando, procurando… Me deixou uns 10 minutos esperando… Saiu, conversou com outra oficial e outra, voltou e continuou procurando alguma coisa no computador. Acho que ele pensava: “como alguém chega na Rússia sem visto? Deve ter alguma explicação!” Depois de todo mundo abandonar a nossa fila por conta da demora, entrou uma outra oficial na salinha, falou alguma coisa em russo e deu risada. Ele também riu! Carimbou meu passaporte na última folha e me mandou seguir. O Paulinho passou um minuto depois. É… sempre tem a primeira vez (pra eles)!

Ali mesmo, no aeroporto que mais parecia uma rodoviária, sacamos alguns mil rublos (34 rublos equivalem a 1 dólar) e seguimos para o ponto de ônibus. Não conseguimos tirar foto do aeroporto (infelizmente!) porque estávamos congelando de frio e muito casados. Tudo o que eu mais queria naquela hora era entrar no busão e encontrar o nosso albergue.

Estava entre 6 e 7 graus naquele horário e a vista que tivemos do avião era só nuvem. No entanto, logo depois das 11h, o céu começou a se abrir e, embora o frio permanecesse, um azul lindo apareceu. Lindo mesmo! No final do dia, as nuvens voltaram carregadas, mas não choveu. No dia seguinte, acordamos com o sol raiando, um calor de 25 graus e nenhuma nuvem no céu. O tempo na Rússia parece ser assim: instável e temperamental, ou pelo menos o é na Sibéria.

Tivemos sorte e demos de cara com esse céu azulzinho
Tivemos sorte e demos de cara com esse céu azulzinho

Andando por Irkutsk, nos surpreendemos com a limpeza da cidade, com o respeito dos motoristas aos pedestres, a alta velocidade dos carros e a péssimas do transporte público urbano.

A limpeza é inegável. Além das muitas latas de lixo espalhadas, e por isso, absolutamente nenhum lixo no chão, as fachadas das construções, na maioria, são limpas.

Limpeza da cidade, impecável
Limpeza da cidade, impecável

Apesar dos carros correrem muito dentro da cidade (presenciamos um “racha” de quatro motos e dois carros em plena avenida principal perto das 21h), quando os motoristas avistam uma pessoa perto da faixa de pedestres ou perto de uma placa que indica preferência do pedestre, eles imediatamente param.

Respeito ao pedestre
Respeito ao pedestre

Já com relação aos transporte urbano, nos sentimos de volta a Cuba. 90% dos ônibus em péssimas condições, carroceiras destruídas, tão sujos que quase não se lê a placa. E dentro, a cobradora anda pelos passageiros cobrando a passagem.

Só um exemplo das carrocinhas
Só um exemplo das carrocinhas

Se você acha que virá para a Rússia e irá encontrar somente pessoas loiras de olhos azuis, se engana. Ok, população maioritariamente branca e de olhos azuis (95%), mas com cores e estilos de cabelos completamente diferente, principalmente as mulheres e as crianças. Não tenho muitas fotos para comprovar (acho chato chegar na cara da pessoa e tirara foto), mas conseguimos algumas. As “tendências” mais legais, são as senhoras que pintam o cabelo de lilás (amei!) e as crianças que cortam os cabelos no melhor estilo “punk”.

É praticamente um senso comum entre todas as pessoas do mundo: os russos são sisudos e rudes. Não vou dizer que são as pessoas mais simpáticas do universo, mas descobrimos que, como em quase todo lugar, o sorriso é muito poderoso. Como poucos russos arranham o inglês, sempre nos comunicamos por mímica, o que facilita muito nosso relacionamento com eles. Primeiro, porque damos risada o tempo todo e eles acabam se divertindo com a gente e segundo porque eles acabam fazendo mímicas e dando risada também. Na chegada a Irkutsk, não conseguíamos encontrar o hostel de jeito nenhum (embora estivéssemos bem perto). Naquele frio, paramos dois adolescentes na rua e perguntamos. Eles não sabiam, mas procuraram no GoogleMaps e descobriram. Então, vocês acham que eles nos ensinaram e nós fomos? Não, claro! Não entendemos uma palavra do que eles disseram. Eles, então, nos evadam até a porta do hostel. Foi então, que aprendemos a dizer “obrigado” em russo, “spacíba”.

Nosso cantinho no Baikaler Hostel
Nosso cantinho no Baikaler Hostel

Algumas similaridades com a gente: a comida e o idioma. O tempero russo (pelo menos na Sibéria) parece ser muitíssimo parecido com o tempero da nossa região: salgado, suave e sem pimenta. Já o idioma, embora hajam muitas letras diferentes, a pronúncia para algumas palavras é bem similar, como beterrrrrraba, automóbil, vagón, tempretura… Além disso, é bem fácil entender o alfabeto deles, dá pra ler letrinha a letrinha e juntar tudo depois (como aprendemos na escola), e no fim, muitas palavras fazem sentido.

A galera parece ter dois grandes vícios aqui: a vodka e o cigarro. Como eles fumam… É impressionante. Estão em disputa constante com os chineses. Adolescentes e adultos, na mesma proporção. A vodka é praticamente água!

Com relação à segurança, tudo tranquilo. Andamos à noite, sossegados. Cuidados básicos somente, sem nenhuma neura.

Centrinho à noite
Centrinho à noite

A maior parte das pessoas seguem os preceitos da Igreja Católica Ortodoxa. As mulheres precisam cobrir a cabeça ao entrar nas igrejas. Andando pela cidade de Irkutsk, encontramos três igrejas, uma do lado da outra.

Primeira igreja
Primeira igreja
Segunda igreja
Segunda igreja
Terceira igreja
Terceira igreja
As três torres, uma do ladinho da outra
As três torres, uma do ladinho da outra

Uma coisa muito engraçada. Embora a mão da rua para os carros seja a mesma que a nossa, encontrarmos carros com o volante dos dois lados. Ainda não temos uma explicação  muito lógica para isso, mas é o que vimos.

Carros com volantes dos dois lados
Carros com volantes dos dois lados

 

Parece que a Rússia ainda está tentando buscar sua própria identidade. Percebemos isso na arquitetura, onde convivem o estilo quadrado das construções soviéticas, com o gótico da igreja católica ortodóxica e um estilo mais moderno e romântico.

Praça e Irkustk
Praça e Irkustk

Também encontramos facilmente estátuas do Lênin (líder da revolução socialista na Rússia) espalhadas pelas ruas. Aliás, Lênin e Karl Marx são os nomes das principais avenidas de Irkutsk, mesmo sendo elas avenidas extremamente comerciais. Os russos também parecem se orgulhar do seu passado socialista, embora queiram viver no mundo capitalista, e Putin (presidente desde 2004) foi membro da KGB.

E assim começam os primeiros dos 25 dias que viveremos aqui na Rússia. Ainda nos restam mais 6 cidades para visitar e um longo caminho via Ferrovia Transiberiana para percorrer. E muita vodka para passar debaixo da ponte. 😉

Praça central
Praça central
Agora, vista panorâmica
Agora, vista panorâmica

 

2 COMMENTS

    • Tio… vamos deixar o assunto “motos” em aberto, rsrs. O Paulinho já está cheio de saudades da moto dele e eu tenho que ficar segurando a barra por aqui, ahahaha.
      Pra sermos sinceros, vimos algumas por aqui, mas nada que tivesse chamado atenção (por enquanto). Com exceção do mar de motos no Vietnã! 😉

LEAVE A REPLY