Bairro judeu em Cracóvia, Kazimierz: história e atrações

Bairro judeu em Cracóvia, Kazimierz: história e atrações

7
SHARE

Antes do início da Segunda Guerra Mundial, viviam na Europa quase 9 milhões de judeus, concentrados principalmente em alguns países do leste europeu. Era uma comunidade grande, dado o tamanho do continente, mas que já sofria discriminações. Por conta disso, mas não só disso, eles se concentravam em bairros mais distantes e lá viviam seus costumes e falavam sua própria língua.

Fachada antiga do bairro judeu em Cracóvia
Fachada antiga do bairro judeu em Cracóvia

A Polônia sempre foi um dos países com maior número de judeus, consequentemente, com vários bairros judeus espalhados pelo país. O bairro judeu em Cracóvia se chama Kazimierz e ele começou a se desenvolver no final do século XV. Um pouco antes do início da Segunda Guerra, eram mais de 70 mil judeus morando em Kazimierz, o que atribuía a essa comunidade o título de maior comunidade judaica da Polônia.

Restaurantes e bares em Kazimierz
Kazimierz

Eu já comentei aqui neste post sobre como Cracóvia foi uma supresa pra gente que a história de perseguição dos judeus na Europa é bem mais antiga do que imaginamos. Hitler não foi o responsável pela criação da onda anti-semita, mas foi o responsável por ter levado esse preconceito a consequências devastadoras.

O bairro judeu em Cracóvia e a invasão dos nazistas

Como a Polônia foi o primeiro país a ser invadido por Hitler (e claro que isso não foi por acaso), os judeus de Cracóvia foram os primeiros a sofrer. Logo no início da Segunda Guerra, os nazistas construíram um gueto no distrito de Podgórze, que fica do outro lado do rio Vístula, e mais de 15 mil judeus foram expulsos de suas casas e passaram a viver confinados no gueto.

Se você nunca leu um relato contando como isso acontecia, era bem parecido com o que você deve estar imaginando: as famílias judaicas foram arrastadas à força até esse gueto e lá permaneceram prisioneiras do regime. Elas viviam todas juntas e amontoadas em apartamentos super apertados. O lugar era insalubre e cercado por muros e portões muito altos, sempre vigiados pelo exército.

Os judeus eram proibidos de deixar o gueto sem autorização e podiam ser mortos imediatamente, caso tentassem fugir. Ali, os judeus tinham dois destinos possíveis, que dependiam da aptidão de cada um ao trabalho: 1) serem transferidos a um campo de concentração de trabalho forçado, como Auschwitz, ou 2) serem mortos. Havia algumas exceções, mas não havia meio-termo. Dois anos depois de sua abertura, o gueto foi oficialmente fechado, em 1941.

Durante esses dois/três anos, o tradicional bairro judeu em Cracóvia, Kazimierz, não foi devastado como aconteceu com o bairro judeu em Varsóvia (capital da Polônia). Em Cracóvia, a comunidade judaica não ofereceu resistência aos nazistas e, por isso, teve boa parte do seu patrimônio histórico e arquitetônico preservado, dentre eles a antiga Sinagoga principal (que hoje é o Museu Judaico) e o Cemitério Remuh.

No entanto, o bairro ficou abandonado durante a ocupação nazista e mesmo depois dela, quando os soviéticos tomaram o país. Os 20.000 mil judeus que continuaram vivos não retornaram a Kazimierz: algumas famílias se espalharam pela cidade e outras muitas emigraram para países como Israel, devido ao anti-semitismo também promovido pela União Soviética.

Kazemierz hoje

Hoje, o bairro judeu em Cracóvia está sendo reformado, muito embora, algumas ruas ainda pareçam abandonadas. A comunidade judaica trabalha para reavivar o bairro, mostrando a outros judeus que o país e a cidade já não são mais o palco de terror de poucas décadas atrás.

Bairro judeu em Cracóvia
Bairro judeu em Cracóvia

Eles vem investindo na reforma das fachadas, na melhora do asfalto e no aumento da atividade comercial. Hoje, é um bairro boêmio muito cool e alternativo. A oferta de bares e restaurantes é muito grande e de muita qualidade. É onde a vida noturna acontece em Cracóvia. Já durante o dia, o bairro é bem calmo e dá pra andar tranquilamente pelas ruas.

Restaurantes e bares em Kazemierz
Restaurantes e bares em Kazemierz
Kazimierz é um bairro tranquilo para explorar durante o dia
Kazimierz é um bairro tranquilo para explorar durante o dia

Os bares melhores pontuados no Trip Advisor são o Absynt Cafe & Drink Bar, Eszeweria Bar e o Alchemia Bar. O Singer Bar não está entre os melhores, mas com certeza é um dos mais criativos. Nele, as mesas são aquelas máquinas antigas de costura da marca Singer.

Bar Alchemia no bairro judeu em Cracóvia
Bar Alchemia no bairro judeu em Cracóvia

Caminhar pelo bairro e descobrir sua história e seus mistérios é mais do que legal. O bairro judeu em Cracóvia conserva um certo ar decadente, mas pulsante. Melancólico e alegre. É um bairro de paradoxos. Mas também de esperança. É um bairro para ser descoberto esquina à esquina e para ser admirado pelos esforços constantes de seus moradores em escrever um novo capítulo na sua própria história.

Alegria nas fachadas de Kazimierz
Alegria nas fachadas de Kazimierz

Nós caminhamos sozinhos pelo bairro, mas descobrimos tardiamente o Jewish Free Walking Tour, que deve ser tão legal quanto os outros walking tours que fizemos.

Mas se você gosta de passeios organizados, pode encontrar vários aqui neste link.

O que ver em Kazimierz

  • Museu Judaico (antiga Sinagoga principal)
  • Cemitério Remuh
  • Praça Central
  • Basílica de Corpus Christi
  • Church on the Rock
  • Grafites pela ruas

Ah! E aproveite a proximidade e visite também a Fábrica de Schindler. Sim, a mesma do filme “A Lista de Schindler”.

Neste post, faço menção a alguns produtos e serviços de viagem. Sempre que você reservar ou comprar alguma coisa por meio do blog, eu ganho uma comissão. Mas garanto que nada ficará mais caro para você, ok?

Se você gostou do post, compartilha com quem você acha que também vai gostar. Já se conhece o bairro judeu, não quer aproveitar e dar sua dicas aqui também?

Siga a gente nas redes sociais. FacebookTwitterInstagram e Flipboard. Snapchat: contosdamochila

Obrigada por ler! <3

Newsletter_1

7 COMMENTS

  1. Essa cidade tem a cara da minha irmã!
    Ela é apaixonada pela história do Hittler, já leu todas as biografias dele, tudo sobre ele.
    E acho que para ela ver de perto e sentir parte dessa história seria incrível.
    Vou indicar o post para ela.

  2. Me senti dentro do livro de história!
    Estivemos em Cracóvia apenas de passagem de Varsóvia para visitar Auschwitz. Sim, uma pena não ter tirado uns dias para essa linda cidade, mas é porque temos a certeza de que voltaremos 🙂
    Parabéns pelo post!

  3. Voltei no tempo com o seu post, Pam. Visitar a Polônia foi chocante para mim em muitos sentidos. Aprendi mais sobre a história deles e cheguei a sentir vergonha do ser humano.
    Graças a Deus eles se reergueram e hoje a Polônia tem cidades incríveis! Não consegui conhecer a Cracóvia, mas Varsóvia foi quase 100% destruída e hoje é um lugar encantador. Eu tinha vontade de parar em todos os cafés, tão fofos que eram. E acho que eu me encantaria por esse bairro também, Kazimierz.
    Certamente uma viagem que todo mundo precisa fazer ao menos uma vez na vida!

  4. Cada leitura nova sobre o Leste Europeu me deixa mais certa de colocar esta trip no topo da lista. Embora a história seja muito triste, são destinos que me encantam! Adorei o post!

  5. Claro que a gente sabe que um gueto judeu não é uma coisa boa, mas só recentemente lendo “Os bebês de Auschwitz” que eu realmente senti como é que era… Sem comentários! Sou louca para conhecer a Polônia!

LEAVE A REPLY